Biounat: fruto da amizade

Category:

Amigas há mais de duas décadas, Beatriz (Bia) e Natália (Nati) abriram uma empresa de venda de produtos orgânicos pela internet. Para elas, a amizade está acima de qualquer meta de negócio

 

Nas reuniões de trabalho semanais, sempre há espaço para amenidades e desabafos. O convívio, intensificado pela sociedade, permite que uma saiba tudo sobre a vida da outra. E assim, entre controle de estoque e avaliação de métricas, saídas para a balada e horas de bate-papo, as amigas Beatriz Nunes, a Bia, 32 anos, e Natália, a Nati, 34, tocam a Biounat. “Quando a gente decidiu abrir a empresa, há dois anos, a primeira coisa que propus foi: caso haja algum desentendimento que prejudique a nossa relação, a gente fecha a empresa, mas jamais a nossa amizade”, conta Nati.

E a Bia acatou de pronto a primeira condição imposta pela sócia. “Somos amigas há muito tempo, nossas famílias se conhecem. A Nati é uma irmã que a vida me deu. Com a empresa, muita coisa mudou. Não vou dizer que melhorou, porque surgiram algumas questões que não são inerentes à vida de amigas, mas de sócias. Já passamos por alguns estresses. Mas hoje vejo que tudo isso nos fortaleceu”, avalia.

E a chave para preservar a parceria é uma máxima antiga: manter o respeito. “O legal, é que somos tão conectadas, que dificilmente divergimos sobre alguma coisa. Quando não, o que é raro, cada uma coloca seu ponto de vista, e facilmente chegamos a um ponto final, sem insatisfações. Amizade, respeito e parceria acima do negócio sempre! ”, relata Bia.

E para dar um respiro na vida atribulada de empresárias, as meninas instituíram um dia para reforçar os laços e relembrar do tempo que a relação era nutrida por mais momentos festivos. “Assim instituímos o Dia da Amizade Biounat. Uma vez por mês saímos juntas para comer, dançar, se divertir. Essas saídas são por conta da empresa”, explica Nati. A última foi o show dos Novos Baianos.

Começo

Além da amizade, a família também representa o surgimento da Biounat. A preocupação com a saúde dos seus foi o principal motivo para a criação da empresa. “Eu comecei a pensar em uma alimentação mais saudável, em 2007, quando a Clarinha nasceu”, lembra Nati. “Precisava fazer a papinha dela e me preocupava com os nutrientes”, acrescenta.

Aquela época o mundo de venda de orgânico delivery era incipiente. “Vi numa revista e acreditei que aquilo ali era o que eu queria fazer. Vender alimentos saudáveis para as pessoas e trabalhar de casa, tendo mais tempo para minha filha”, completa.

Bia, que sempre quis ter seu próprio negócio, se viu no sonho da Nati alguns anos depois, em 2015, quando descobriu que sua mãe estava com câncer. “O diagnóstico foi como uma bomba para toda a família. Minha mãe sempre comeu verduras, frutas, praticava exercícios, não fumava e nem bebia”, relata. “Fiquei tentando achar uma explicação, a gente sempre busca respostas, né?, comecei a ler muito…Foi aí que alguma coisa me fez pensar que podia ser o veneno invisível, o agrotóxico. Percebi que na época dos nossos avós, os hábitos eram mais saudáveis, se comia mais comida de verdade. Acredito que a tendência seja essa, retomar velhas práticas ”, pontua.

Na tentativa de propiciar mais qualidade de vida à mãe, Bia aderiu à alimentação orgânica. “Eu acredito muito que o alimento é o nosso remédio. Tanto é que o lema da nossa empresa é Saúde Entregue Em Casa”, diz. Infelizmente, a mãe morreu em outubro de 2015, com metástase. Um mês depois, a Biounat realizava a primeira entrega.

“O nosso negócio é trabalhar com a prevenção. Oferecemos para os nossos clientes alimentos saudáveis. A maioria cultivada por produtores locais. Giramos a roda do bem: do desenvolvimento regional e da saúde das pessoas”, complementa Nati.

Projetos

Para o futuro, Bia e Nati querem alcançar mais clientes. Atualmente, elas atendem Águas Claras, Guará, lagos Sul e Norte, Sudoeste, asas Sul e Norte, Cruzeiro, Octogonal, Noroeste, Vila Planalto, Park Sul, Jardim Botânico, Altiplano Leste, Paranoá e a região do Grande Colorado. Querem também ampliar o nicho de mercado e vender além de alimentos, produtos de higiene e cosméticos com pegada sustentável, um verdadeiro empório saudável.

Dados

  • Consumo de orgânicos cresceu 34% no DF

  • Movimenta R$ 35 milhões, por ano

(Fonte Correio Braziliense: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2017/06/05/internas_economia,600126/cresce-o-consumo-de-organicos.shtml)

Contatos:

Beatriz, Bia: 9 9648-2015

Natália, Nati: 9 9152-3806

TAGS: